14/11/2011

Mario Monti - o sucessor do Berlusconi

                      Quem não acreditava, viu para crer. Acabou para o Berlusconi (esperamos né?)! E o sucessor é Mario Monti. Quem é ele? 
                      Bem, Mario Monti tinha como cargo o de senador vitalício, é um economista e político. Ele Comissário Europeu durante dois mandatos consecutivos e foi nomeado reitor e presidente da Universidade Luigi Bocconi. 
                       Estão dizendo que ele é o oposto do Berlusconi. Achei uma matéria interessante de um jornal português, falando sobre ele e fazendo algumas comparações. Vamos ler:

"Apesar de nunca ter exercido qualquer cargo político-partidário, a perspectiva de um Governo chefiado por Monti foi suficiente para acalmar uma boa parte do nervosismo dos mercados financeiros, que esta semana provocaram a subida em flecha das taxas de juro da dívida pública, colocando o país à beira da crise de liquidez.

Monti, que detesta a política partidária, recusou todos os convites para integrar o Governo italiano, incluindo, ironicamente, depois da primeira queda de Berlusconi, em 1995. É caso para dizer que à terceira foi de vez.

A sua reputação num lugar público foi feita sobretudo durante os dez anos em que foi membro da Comissão Europeia - primeiro como responsável pelo mercado interno, depois como chefe da política de concorrência -, em que deixou uma impressão impecável de grande seriedade, verticalidade e sentido do interesse geral. 

Foi nestes cargos que o italiano ficou conhecido por "Super Mario", a alcunha que é agora atribuída ao seu compatriota acabado de chegar à presidência do Banco Central Europeu, Mario Draghi. Monti detestava a alcunha, por se considerar o oposto da pequena personagem agitada dos jogos de computador, mais parecido, na realidade, com Silvio Berlusconi.

Monti e Berlusconi são de tal forma o oposto um do outro que custa a acreditar que foiIl Cavaliere que nomeou Il Professore para Bruxelas durante a sua primeira chefia do Governo italiano, em 1994. 

De um lado, Berlusconi, de 75 anos, é o self made man que se tornou num dos homens mais ricos de Itália. 

Do outro, Monti, sete anos mais novo, é o grande intelectual que dedicou toda a vida ao estudo e ao ensino de Economia na universidade italiana de Bocconi e em Yale, com passagens pelo banco americano Goldman Sachs e pelos conselhos de administração de várias empresas, da Fiat à IBM.

                                              
Berlusconi com o seu ar de playboy bronzeado todo o ano, é o campeão da política-espectáculo, frequentemente inconveniente, ligeiro, sem convicções conhecidas, atreito a gaf-fes e com "uma atitude escandalosa com as mulheres", como reconheceu esta semana o seu amigo e homólogo russo, Vladimir Putin. 

Monti é o grande intelectual, europeísta convicto, ponderado, reservado, formal, um pouco rígido mas de humor britânico, de quem não há memória de qualquer comportamento deslocado. 

"O principal traço de carácter de Monti é a integridade", explica um dos seus antigos colaboradores em Bruxelas. "É um homem de grandes princípios, que não tem medo de ninguém nem faz favores a ninguém".

Monti é, igualmente, "um negociador temível", refere outro ex-colaborador. Primeiro, porque nunca mostra as emoções, o que desarma os interlocutores, por não conseguirem perceber o que pensa. Segundo, porque, quando está convencido de que tem a razão do seu lado, não cede um milímetro.

Uma das grandes batalhas que fizeram a sua reputação teve a ver com o desmantelamento das vendas sem taxas nos aeroportos europeus (os chamados duty-free). Conscientes de que, no contexto do mercado sem fronteiras internas de 1993, não teria sentido manter nichos sem taxas nos aeroportos, os governos decidiram por unanimidade acabar com eles a 1 de Janeiro de 1999, com o nascimento da moeda única.

Furiosos, os representantes dos duty-free montaram então uma das maiores operações de lobby de sempre para tentar anular a decisão, anunciando um desastre económico e social com o desaparecimento de milhares de empregos, a falência dos aeroportos e a subida em flecha dos bilhetes de avião. A pressão foi tal que vários governos acabaram por se impressionar, incluindo os líderes da França e da Alemanha, na altura Jacques Chirac e Gerard Schroeder, que "ordenaram" a Monti para abandonar o projecto. 

Convicto de estar perante um pequeno interesse de uma minoria contra o interesse maior do mercado interno europeu, o comissário não cedeu uma vírgula. As vendas sem taxas acabaram mesmo a 1 de Janeiro de 1999 e, como se viu, os cenários apocalípticos anunciados não foram mais do que uma arma de propaganda.



                   Bem, o negócio é esperar para ver alguma mudança. Se vão deixá-lo fazê-las, também é outra questão. Só o tempo pra dizer que esse Mário é mesmo "Super" ou não!
                     Buona settimana a tutti! Baci!

2 comentários:

  1. Carla! Obrigado pela visita lá no disegno. Realmente, chega uma hora em que nossa cabeça dá um nó com tantas línguas. Eu falo português com meus amigos brasileiros, italiano na faculdade e no trabalho e quando chego em casa à noite falo inglês. Já imaginou? Outro dia morri de raiva pois enviei um email para o Brasil e escrevi "proGeto". Logo essa palavra que é tão comum na vida de um arquiteto...rs. Vamos esperar mudanças na nossa Itália. Abraço!

    www.disegnoamilanesa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Post top 10,Carlinha.

    Dificil a situaçao.Agora é esperar pra ver.Vamos ver o que vem.Berlusca-suruba nao fez nada em um pais que ja estava em crise e fingia ser grande.Ele so agravou pois a mentalidade politica em burocracia,corrupçao,uso da maquina publica aqui sao uma zona.Aparencia nao conta na economia.Fatos sim.
    E quem sabe de politica na Italia,sabe que esta esta junto com o crime organizado.Olhe os documentarios sobre os juizes assassinados pela mafia Borselino e Falcone.Tem muita coisa que nao sabemos..

    Resta avisar que quase nao existe politico jovem na Italia(eles continuam no poder até bem idosos).Olhe o atua presisente:80 e alguma coisa.

    Outra,eles continuam recebendo um EXCELENTE salario por TODA A VIDA(por isso como a Carla citou muito bem,vitalicio).Por isso todo mundo quer entrar na politica mas os velhinhos nao deixam entrar qualquer um.Falta sangue novo ai.E mudar toda uma cultura de um povo,nao é facil.

    Outra coisa, com essa crise é grande o numero de italianos que estao indo pro Brasil atras de empegos e oportunidades.Estamos salvando a pele deles,de novo,embora continuem a falar mal de nos pelas costas como vemos em blogs aonde nao entendem o Brasil nao é a Italia.

    ResponderExcluir

Obrigada por participar!
Seu comentário será publicado após a aprovação. :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...