18/10/2012

Milão dividida - Zona 1 (2ª parte)

Depois de saber um pouco da Zona 1, o centro histórico de Milão, seus parques e tudo o mais, hoje vou completar o post anterior, dando dicas do que não se pode deixar de conhecer no centro de Milão!

- Castello Sforzesco - Já publiquei vários posts que fala dele e seus preciosos museus. A relação dos milaneses com o Castello Sforzesco é um sentimento de amor e ódio, por causa das vicissitudes turbulentas que lhe fizeram tão famoso. Durante séculos, a Castelo Sfrozesco  foi a estrela de eventos dolorosos e para os milaneses tornou-se o insuportável símbolo da repressão praticada pelos Senhores de Milão ou conquistadores estrangeiros. Finalmente, no século XX, o Castelo mudou a cara e assumiu a aparência de um lugar reconfortante de cultura, usado para proteger a arte. O nome do castelo se refere ao líder italiano e duque de Milão, Francesco Sforza, que em 1450 queria reconstruir toda a estrutura. As origens do Castelo, no entanto, são ainda mais longe: foi construído na segunda metade do século XIV, a mando de Galeazzo Visconti II, Senhor de Milão. Atualmente, o Castello Sforzesco é rico em museus: o andar térreo do Tribunal Ducal é o Museu de Arte Antiga, o primeiro andar da coleção de mobiliário e galeria de arte, o primeiro e segundo andar do Rocchetta há coleções de arte aplicada e o Museu de Instrumentos Musicais, no porão do Tribunal Ducal há o Museu de Pré-História e História Antiga e o Museu Egípcio.


- Duomo di Milano - O que poderia ser mais representativo de Milão, se não o Duomo? A igreja dedicada a Santa Maria Nascente, construído a mando de Gian Galeazzo Visconti, é o símbolo da cidade. O trabalho na Catedral de Milão começou em 1386 e favoreceu a criação de um belo monumento, com maravilhosos vitrais e belas esculturas ornamentais. Esta magnífica propriedade é o testemunho mais importante da arquitetura gótica, que não deixa margem para dúvidas: é o único que combina características nórdicos e elementos lombardos. A beleza da catedral é completado pela torre onde está a estátua de Madonna famoso de cobre dourado, de 4 metros de altura. Se você visitar a igreja em um belo dia de sol, pode desfrutar de uma vista maravilhosa do terraço sobre a cidade e os Alpes Dentro você não vai perder o presbitério, apresentado no segundo semestre de 500. No Duomo também está a relíquia do Sacro Chiodo della Croce. Só para dar um pouco de números: Há 3.500 estátuas na catedral, incluindo os 96 gigantes gárgulas, e que a estrutura é 157 metros de comprimento, 92 metros de largura e que a torre é 108,50 de altura.



 - Galleria Vittorio Emanuele - A famosa Galleria Vittorio Emanuele II, foi construída porque na primeira metade do século XIX, a cidade olhava com inveja a evolução das grandes capitais urbanas da Europa e queria estar à altura. Em 1859, a ideia de uma passagem coberta que ligava a Piazza Duomo e Piazza della Scala tornou-se mais concreta e foi uma competição internacional para avaliar as propostas de vários arquitetos. Bem 176 arquitetos propuseram suas ideias e se destacou entre todos o Mengoni Giuseppe, que pensou em um longo túnel atravessando por um braço com uma grande sala octogonal no meio do cruzamento. Em 1865, o trabalho começou com a organização da primeira pedra diretamente pelo rei Vittorio Emanuele II de Savoia, e dois anos depois a galeria foi aberta, embora ainda incompleta e sem a presença do rei. Mas a construção da Galleria Vittorio Emanuele II é um epílogo trágico: seu criador, Giuseppe Mengoni, morreu durante uma inspeção em sua "criação" própria. Muitos não achavam que tinha sido um acidente, mas sim um suicídio real, devido às inúmeras críticas do seu trabalho e da decepção causada pela ausência do rei na abertura: ninguém poderia imaginar que o rei estava mal de saúde e ele morreu poucos dias depois. A Galeria está agora cheia de lojas de marcas famosas, bares e restaurantes.



 O Cenáculo de Leonardo da Vinci - A Última Ceia de Leonardo da Vinci, é cuidadosamente guardada no refeitório do convento dominicano de Santa Maria delle Grazie, em Milão. Leonardo pintou esta obra de beleza estonteante na parede norte do corredor entre 1494 e 1498, durante o governo de Ludovico il Moro. O gênio Leonardo fez esta obra-prima "seca", em vez de a técnica do afresco normalmente usado para pinturas de parede. Infelizmente, ao longo do tempo, por causa das condições ambientais e de acontecimentos históricos, a obra sofreu uma pesada deterioração. Houve numerosas obras de restauração na Última Ceia, e, especialmente, o de 1999, voltou às suas cores originais pintadas e removeu a pintura das restaurações anteriores. Para evitar que a pintura seja ainda danificada, é mantida sob condições ambientais especiais, determinados pelo tratamento, e podem ser visitadas apenas por grupos de até 25 visitantes de cada vez, a cada 15 minutos. Vejam o post sobre a visita que eu fiz clicando aqui.


- Pinacoteca di Brera - O Palácio de Brera foi construído em um convento do século XIV, antigo do grupo dos Humilhados e mais tarde foi concedido aos jesuítas, que fundaram uma escola. Só no início do século XVII, o Palácio adquiriu um ar sóbrio e majestoso, graças ao trabalho de Francesco Maria Ricchini. Em 1773, após a dissolução da Ordem dos Jesuítas, o Conselho de Brera tornou-se propriedade do Estado e tornou-se o lar de algumas das mais importantes instituições culturais da cidade, por ordem da imperatriz Maria Teresa da Áustria. Um dos atores mais famosos do neoclassicismo na Itália, Giuseppe Piermarini, tomou o lugar da biblioteca, o portão de entrada imponente na Via Brera e da conclusão do pátio, no centro do qual está uma estátua de Napoleão como Marte, o Pacificador. Ao longo dos pátios do século XIX, varandas, corredores e vestíbulos foram projetados para acomodar monumentos que glorificam benfeitores públicos, artistas, homens de ciência e cultura relacionados com a história de Brera. A Pinacoteca di Brera, nasceu em 1776 e era para ser uma coleção de obras significativas para a formação dos estudantes, mas, quando Milão foi declarada capital do Reino da Itália, tornou-se um museu cheio de pinturas de todos os territórios capturados pelo exército francês. A Pinacoteca di Brera é diferente de então outros prestigiados museus italianos, como a Galeria Uffizi, por exemplo, porque não se origina a partir da coleção particular da aristocracia e dos princípios, mas do Estado e da política. Os ativos da galeria cresceu e cresceu até os anos setenta, quando foi enriquecida por algumas coleções de incrível beleza dos artistas mais importantes do século XX, como Modigliani, Morandi, Carrà e Braque. Para rever o post sobre a minha visita lá clique aqui.



E tem muito mais, pra não acabar mais o post, por isso vou só citar: Museu Arqueológico, Museo del Novecento, Museu Leonardo da Vinci, Museu Poldi Pezzoli, o Teatro Scalla, as Colunas de São Lourenço que falei há alguns dias atrás, etc. 

Ah! Não dá pra perder também a Piazza Affari, com o inusitado Dito Medio Alzato di Maurizio Catellan. Que acabou de ganhar mais 40 anos de permanência em frente à Bolsa de Valores! 



Ruas da moda? Via Torino, Via Montenapoleone, Corso Vittorio Emanuele e a imensa loja de Giorgio Armani na Via Borgonuovo já são algumas dicas!

Por hoje é só! 
No próximo post vamos falar o que se encontra de especial nas outras zonas de Milão!

Baci a tutti!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por participar!
Seu comentário será publicado após a aprovação. :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...